17.05.2021
Leptospirose em cachorro: Como o animal pode contrair a doença?

Voltar a Notícias

Certamente você já ouviu falar nesta doença. No entanto, você já ouviu falar dela em cães? Sim, a leptospirose em cachorro é uma realidade e nenhum cãozinho está livre dela, caso as medidas para isso não sejam tomadas. Da mesma forma que em humanos, a leptospirose canina se desenvolve a partir de um contato que o animal teve com a urina de rato. Afinal, é na urina do rato que está presente a bactéria leptospira, que desenvolve esta grave doença nos cães. 

Esta é uma bactéria muito comum no organismo de todos os ratos, só que de uma forma natural e que não faça mal. O problema é quando a bactéria salta do rato e invade o organismo de outro hospedeiro que não está preparado para lidar com ela. Neste caso, o estrago pode ser grade e, muitas vezes, pode até levar o cachorro a óbito. 

No organismo do cachorro, a leptospira poderá danificar muitos órgãos vitais do pet, como rins e fígado. E justamente por isso ela é tão perigosa, pois é difícil saber que ela está alojada no animal, sem que os primeiros sintomas apareçam. No entanto, é importante que você entenda que não é só pela urina do rato que a leptospirose é passada para os cães. Mas sim, por toda e qualquer mucosa do rato. Pois quando em contato com o sangue do cachorro, pode transmitir a doença. 

Em dias de chuva, por exemplo, é muito comum que alguns casos de leptospirose sejam diagnosticados em cães. Pois a água da chuva, quando em contato com a urina ou mucosa dos ratos, é uma poderosa transmissora da bactéria leptospira. Ou seja, se a água da chuva escorrer por algum lixeiro ou bueiro onde há ratos, as chances de contágio são bastante grandes com os cães que entrarem nesta água. 

Por isso, todo cuidado é pouco. Desta forma, veja agora quais são os principais sintomas da doença para que você possa levar seu cão a um veterinário com bastante antecedência. 

A leptospirose em cachorro, como já entendemos, é uma doença bastante grave. Infelizmente, ela pode fazer o cachorro sofrer bastante, até que ele venha a óbito, caso não haja um tratamento adequado e com velocidade. Por isso, é muito importante que você atente-se para os principais sintomas, de forma que você possa agir rapidamente a partir de qualquer sinal. Veja:  

Em média, os sintomas da leptospirose em cachorro demoram cerca de 7 dias para aparecer. Portanto, quando o cão apresentar qualquer um destes sintomas acima, saiba que ele pode estar infectado já há vários dias. Ou seja, não há motivos para esperar o próximo dia ou algumas horas para ver se o cão melhora. Pois se há presença da leptospira no organismo do cachorro, pode ser que o problema já esteja em um quadro bastante avançado. 
 
Para te ajudar a tomar a decisão correta, vamos explicar cada um dos sintomas a partir de agora, de forma que você possa aprofundar seu conhecimento e saber tudo sobre os primeiros sinais da doença. Acompanhe! 
 
Excesso de cansaço e o cachorro deitado em locais esporádicos e aleatórios

Um dos primeiros sintomas que a leptospirose em cachorros vai apresentar, é o excesso de cansaço. Este é um sintoma bem “universal”, pois ele pode facilmente se ser o sintoma de vários outros tipos de doenças. Por isso, é muito importante que você desconfie do comportamento do cachorro a partir do momento que ele não está mais agindo como agia antes. 

Por exemplo, se o cachorro dormia na caminha dele ou mesmo dormia em locais específicos da casa e, do nada, passa a deitar em locais bem diferentes e até escondidos, saiba que ele pode estar com algum problema. E este problema, infelizmente, pode ser a leptospirose, que está em alguma fase mais avançada do que estava ontem, quando o cão ainda estava tranquilo (porém já infectado). 

Dica: sempre busque estar perto do seu cãozinho, de forma que possa entender qual é o comportamento padrão, manias e necessidades dele. Afinal, é somente assim que você poderá entender e desconfiar de que algo, de fato, está errado. Veja nosso artigo sobre como cuidar bem de um cãozinho para mais dicas como esta. 

A febre canina pode ser um sintoma de que o animal está com leptospirose 

Outro sintoma bastante comum para várias doenças e, também, para a leptospirose em cachorro, é a febre. Sim, a febre canina pode facilmente indicar que há algo bastante errado no organismo do animal. Pode ser desde um vírus da gripe, até algo mais complexo, como a bactéria da leptospirose. Afinal, a febre surge no organismo para “queimar” os vírus e as bactérias ruins, aumentando a temperatura, como tentativa de acabar com elas. 

Portanto, saber como medir a febre do cachorro ou mesmo entender como identificar outros sintomas de que o cão pode estar com febre, é fundamental para os tutores que querem manter um conhecimento mais próximo do seu melhor amigo. A qualidade de vida do cachorro passa muito por aquilo que você vai ou não oferecer a ele. E esta atenção para sintomas de doença influenciam diretamente no bem-estar do pet. 

Falta de apetite em horários comuns de refeição 

A leptospirose canina também vai acabar com o apetite do seu cão. E isto é algo bastante ruim, pois é a partir da alimentação que o cachorro poderá buscar energias para vencer alguns tipos de problemas relacionados a saúde. Só que quando não há apetite, eles não vão comer. E você, como um bom tutor, precisará prestar atenção nestes detalhes. 

Portanto, faça o seu cão ter uma rotina estabelecida de alimentação. Esta é a única maneira de entender se algo está errado, pois se o cachorro come de maneira aleatória e esporádica no meio do dia, dificilmente você saberá se ele está comendo bem ou não. 

O que você pode fazer, também, é testar alguns tipos de alimentos extras para confirmar que o cão está sem fome, como patês ou comidas úmidas que eles amam. Se ele recusar um petisco, é porque algo está errado. Procure um veterinário com urgência, principalmente se alguns dos outros sintomas também estiverem presentes. 
 
Se o cachorro apresentar vômitos e coloração amarelada nos olhos pode ser um sinal 

E, ainda, a leptospirose em cachorro trará mais um sintoma bastante claro e comum, que são os vômitos. É claro que não é só pelo fato de que o cachorro vomitou esporadicamente, que ele está com leptospirose. Pois o vômito é uma forma de o corpo eliminar algum tipo de desconforto estomacal – que pode ser provocado por inúmeros problemas. 

Mas, vale a atenção e a interpretação dos fatos para validar a hipótese: choveu nos últimos dias? você saiu com seu cão em locais que tinha lixo? Ele eventualmente passou perto de algum bueiro aberto? Estas perguntas vão ajudar a entender se o vômito tem alguma relação com a leptospirose. E, por isso, tenha sempre o número de contato de um veterinário, para que você faça contato e tire todas as dúvidas. 

Além dos vômitos, se o cachorro apresentar olhos amarelados, isto também pode ser um sinal de leptospirose. Portanto, preste bastante atenção nas características físicas do pet, de forma que possa reconhecer qualquer anormalidade, ok? 

Leptospirose em cachorro tem cura? Veja como o tratamento é feito 

Como vimos até aqui, a leptospirose em cães é bastante agressiva e pode trazer bastante sintomas bem evidentes. Porém, estes sintomas nem sempre são exclusivos da leptospirose, pois são bem universais e podem indicar várias outras doenças. Justamente por este motivo é que você precisa redobrar os cuidados com seu pet e, claro, oferecer um tratamento ideal, que possibilite a cura. 

Basicamente, o tratamento da leptospirose em cachorros será feito por um veterinário especialista, após o diagnóstico sorológico de que há a presença da doença no organismo do animal. O tratamento pode ser bem simples, apenas com hidratação e observação, ou pode ser bem complexo, com uso de medicamentos e internação (para casos mais avançados). 

Dica: não tente fazer nenhum tipo de tratamento caseiro. Se você desconfiar de que o cão está com leptospirose, leve-o para um veterinário sem perder mais nenhum segundo. 

Passo a passo de como prevenir o seu cachorro para que ele não contraia a leptospirose 

Se a leptospirose é uma doença bem grave para os cachorros e pode provocar bastante dor e até levar o cão a óbito, nada melhor do que preveni-la, não é mesmo? Afinal, aquele ditado é sempre válido: é melhor prevenir do que remediar! E justamente por isso, vamos entender o que você pode fazer para que o seu cachorro tenha uma vida saudável e passe longe desta bactéria que vem da urina dos ratos. 

Veja: 

Vamos detalhar cada um dos passos acima, de forma que você possa colocá-los em prática, quem sabe, ainda hoje! Vamos lá? 

Leptospirose em Cachorro: As vacinas sempre serão a sua prioridade de prevenção 

Não há como negar: as vacinas apresentam uma revolução incrível da evolução da nossa espécie. Além das vacinas criadas para nós, humanos, há ainda as vacinas que nós criamos para prevenir doenças em nossos melhores amigos caninos. E por isso, você precisa aproveitar ao máximo o que a ciência faz todos os dias pela nossa vida e pela vida dos pets, mantendo a caderneta de saúde deles sempre completinha, incluindo as vacinas contra a leptospirose! 

Dica: se você já vacinou seu pet para que ele não pegue leptospirose, vale a pena falar com o veterinário para verificar a viabilidade de doses de reforço com o decorrer dos anos, tá bem?

Evite que seu cachorro ande em água de chuva na rua (enchentes) 

A água da chuva é uma das principais transportadoras da leptospira, a bactéria da leptospirose. Afinal, a água poderá escorrer por bueiros e locais com lixo que tenham a presença de ratos. E por isso, é fundamental que você evite que o seu cachorro trafegue pela rua ou poças de água em dias de chuva forte – sair para passear, neste caso, não é legal. 

Qualquer contato que a bactéria tiver com a mucosa do cachorro (olhos, nariz, boca, orelhas e machucados), a infecção será certa. E, depois disso, o cão poderá levar até 7 dias para mostrar os primeiros sintomas. E, mesmo assim, os sintomas serão bem comuns há várias doenças. Por isso é tão difícil identificar o problema com antecedência e, prevenir, é o melhor remédio. 

Mantenha sempre o ambiente da sua casa bem limpo, de forma que não atraia ratos 

E por fim, não custa lembrar que você precisa manter o ambiente da sua casa sempre bem limpo e sem o acúmulo de lixo e sujeira, não é mesmo? Qualquer resíduo que possa atrair ratos, certamente aumentará (e muito) as chances para que o seu pet contraia esta bactéria tão infecciosa e tão agressiva. 

Se você notar um rato em algum lugar na casa, procure para ver se não há mais. De preferência, tente entender de onde ele veio, de forma que possa limpar o espaço e garantir que o seu cachorro e você estejam seguros. Afinal, a leptospirose é também contraída por humanos e, inclusive, é uma zoonose: se o seu cão pegar, ele pode passar para você. 

Portanto, todo cuidado (e higiene) é pouco. Mantenha seu cão sempre a vista, de forma que você possa saber por onde ele anda, e mantenha sua casa sempre bem limpinha, de forma que o cão nunca contraia esta ou outra doença grave que possa hospitalizá-lo – afinal, diversos tipos de vírus e parasitas podem estar escondidos em locais sem higiene. 
 
 
Matéria adaptada do portal: https://www.portaldodog.com.br/ 

Para ver a matéria na íntegra acesse o link: https://www.portaldodog.com.br/cachorros/saude/leptospirose-em-cachorro/ 

Voltar a Notícias